LUIZ CARLOS

LUIZ CARLOS
OLÁ! SEJA BEM VINDO/a AO DENTRO DA MINHA CABEÇA! SINTA-SE A VONTADE PARA PARTICIPAR, DEIXANDO O SEU COMENTÁRIO!

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Uma recordação da infância...


Quando criança, ganhei um cachorrinho. Na verdade, era uma cachorrinha... Suzi, minha melhor amiga ! Íamos juntos por todos os lados. Não nos separava-mos nunca ! Logo cedo, após o café da manhã, que tomávamos praticamente juntos! Saiamos a correr pelas ruas... Um dia ela não acordou... Por mais que a chamasse, não adiantava! E eu não entendia por que ela não queria acordar !... Mas ela não acordou nunca mais. E chorei muito quando a levaram, e a colocaram dentro de um buraco, e depois a cobriram com terra... Como ela faria para respirar... “Pensava”. Só mais tarde entendi que ela não precisaria... Foi a minha primeira grande perda na vida!

LUIZ CAIO.

13 comentários:

RAMOSFOREST.ENVIRONMENT disse...

Os cães são grandes amigos. Eu tenho um cocker spaniel com 12 anos e que sofreu um acidente na coluna recentemente.
Eu cuido dele com todo carinho pois sei que ele me retribui com amor.

Ilaine disse...

Luiz Caio!

Hoje, ao reler alguns post em meu blog, encontrei o seu comentário. Me perdoa. Devo ter esquecido de responder... e isto é muito chato. Pois, faço-o agora- antes tarde do que nunca!

Obrigada por me visitar, Luiz. O seu blog é muito especial, tenho certeza que voltarei sempre.

Abraço, com carinho
Ilaine

Rose Tunala disse...

Olá Caio!

Obrigada por deixar um comentário no meu blog, Quando quiser, apareça, será sempre muito bem vindo.
Quando criança, sempre quis ter um cãozinho, mas minha mãe nunca permitiu, foi uma das grandes frustrações da minha vida. Mas compensei essa frustração ao longo de minha vida... Já tive muitos cachorros, hoje tenho 2 poodles pretinhas lindas, uma está até no meu blog, vc deve ter visto.

Sonhadora... disse...

Amigo, sou muito sensível e adoro qualquer tipo de animalzinho...vc me emocionou com seu relato e como vc interpretou o q aconteceu...

bjos e um fds lindinho prá ti!

By Maria disse...

Nunca tive um cachorrinho, sempre tive medo deles...
Oi Luiz tudo bem?
Coloquei seu link lá no blog.
Um abraço

JOICE WORM disse...

Nem me fale neste tipo de saudades Caio. Dói que se farta... Outro dia postarei sobre o sentimento que tive quando uma veterinária deixou minha cadela morrer em sofrimento, só para não gastar uma injeção letal. Era caro... Hoje soube que esta mesma médica está muito doente. E o pior... Está com cancêr. Deus queira que não seja verdade... Não queria que ela sofresse. Não lhe guardo rancor...

mundo azul disse...

O primeiro contato com a morte é muito difícil, principalmente quando ele está ligado a algo que amamos...
Mas, faz parte da vida.

Não concordo com pais, que escolhem por deixar os filhos pequenos, longe da realidade da morte...


Beijos de luz e um domingo feliz!!!

sp disse...

Luiz:
Agradeço a visita e deixo um abraço e a promessa de voltar outras vezes.

Obrigado!

Luiza disse...

Oi! Sou a Luiza, obrigada pelo elogio! Minha mãe me ajuda com meu blog. Mas eu é que escrevo!
Eu tenho dois gatinhos, o Marques e o Belluno e quaaaase tive um cachorrinho, mas não ia dar porque moro em apartamento. Tichau.

Rosani Nauar disse...

Olá! Querido Luiz Caio!

Obrigada pelo o carinho seu comentário no meu blog, vc nao faz idéia como me sinto feliz com ele.
Seu texto é lindo, eu adoro animais, quando eles partem meu coração fica em pedaços, pois é um amor incondicional, e puro. Parabéns vc escreve maravilhosamente bem, menino.

beijos perfumados no seu coração

Corações & Segredos disse...

Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!
Carinho de RO!

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querido Lúis, como deve ter sido díficil para ti a morte da Susi... Mas, como diz o velho ditado; Tudo o que nasce morre!...
Meu Amigo, a vida continuou e graças a Deus continuas a viver esta vida, não temos outra!...
Votos de um bom Domingo e muitos beijinhos de carinho e amizade,
Fernandinha

Ivone disse...

Quando criança a morte não faz sentido.E quando crecermos tambem não.mais é mais fácio de enteder.Nem por isso sofremos menos.Beijos